Gastroenterite por Bacillus cereus

A toxina diarreica é produzida na fase logarítimica do crescimento microbiano. Causa acúmulo de sais no intestino, causando dificuldades na absorção de nutrientes e provocando a diarreia que pode durar entre 8 e 24 horas. Em alguns casos pode levar à necrose do tecido intestinal.



Bacillus cereus corado em vermelho, os pontos mais escuros são os esporos em formação.



O Bacillus cereus multiplica-se bem entre 10°C e 48°C, com crescimento ótimo entre 25°C e 35°C. As toxinas podem causar diarreia intensa, dores abdominais, tenesmos retais, além de outros. No alimento, a presença de B. cereus está associada a vegetais crus e cozidos, produtos cárneos, pescados, massas, leite, sorvete, pudins entre outros. Quando o alimento é devidamente cozido, por aquecimento a 55°C por 20 minutos ou mais, a toxina diarreica é destruída. Contudo, outra toxina, conhecida, como emética, resiste a temperaturas altas e pode ser inativada quando submetida a 126°C por 90 minutos ou mais. A produção dessa última toxina está relacionada com a fase final da fase logarítmica e está associada com o processo de lise e esporulação microbiana.



Quer receber um treinamento exclusivo e gratuito sobre controles microbiológicos? Entre em contato pelo Telefone/WhatsApp (22) 3824-2663.


#Microbiologia #FoodSafety #ABCFoodSafety #ABC #Higienização #microdealimentos #alimentos #Microbiology #HACCP #Fungo #Bolores #leveduras #Petrifilm #3M #Petrifilm3M #Bacterias #Fungos #Virus


Fonte: Franco, B. D. G. M., & Landgraf, M. (2016). Microbiologia dos alimentos (Atheneu). São Paulo.


Foto: Martinko, and Jack Parker. Brock Biology of Microorganisms. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall/Pearson Education, 2018.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo